Iniciativa do Instituto Legado tem o objetivo de oferecer suporte na formatação de negócios que usam tecnologia para resolver problemas da sociedade

No início do ano, o Instituto Legado anunciou mais uma novidade no setor de aceleração. Com o intuito de unir tecnologia e impacto socioambiental positivo, o Legado Semente é um projeto piloto de incubação para startups sociais. O programa oferece capacitações e mentorias especializadas na área de tecnologia aos empreendedores que estão em formação inicial da empresa.

Em encontros semanais, as startups Helps, Reciclaê, Broder e Oi, Caixinha, selecionados pelo projeto, participam de aulas e atividades práticas em áreas como negócios digitais, avaliação de oportunidades, formatação de modelo de negócio, monetização, aquisição de clientes, métricas e tecnologia. Além do suporte no início da empresa, o programa aborda a parte mais crítica de uma startup: a validação de negócios.

As startups também receberam mentorias de administradores de grandes empresas, entre elas Ebanx, Pipefy, ASID, Hospital Pequeno Príncipe e PeaceLabs, que reforçaram a importância de ser uma empresa hands on, ou seja, que coloca a mão na massa e que é aberta a novos conhecimentos.

Giovanni Tecchio é um dos mentores do Legado Semente e cofundador do Valoo, negócio focado em estruturação de startups. O administrador acredita que a capacitação está sendo fundamental para o desenvolvimento das empresas. “No início do programa quase todos os negócios eram apenas ideias ou ainda estavam se movimentando para entrar no mercado”, conta. Hoje, o cenário é outro. “Já temos dois dos empreendimentos disponíveis no mercado, realizando vendas. Os outros já estão muito próximos desse estágio”, finaliza. Na reta final do programa, as quatro empresas deverão apresentar o negócio para potenciais investidores.

Impacto social e inovação

As quatro startups selecionadas para participar do Legado Semente utilizam a tecnologia para gerar impacto positivo. O aplicativo Broder recruta estudantes universitários para realizar serviços solicitados e agendados a pessoas com deficiência. Já a plataforma digital Helps otimiza o ciclo de consumo de medicamentos – desde alertas dos horários, melhor gestão da farmácia doméstica, até as formas de descarte dos remédios. Outra empresa que está sendo acelerada pelo Legado Semente é o aplicativo ReciclAÊ, que proporciona uma solução para o alto índice de lixo descartado forma incorreta. Pelo app, o usuário realiza o cadastro com o endereço da residência e agenda a coleta do lixo com o coletor e o centro de reciclagem que preferir. A quarta startup capacitada é a Oi, Caixinha. A empresa oferece um clube de assinaturas mensal em que o assinante recebe uma caixa de atividades com brinquedos que promovem a interação entre pais e filhos com deficiência.

A tecnologia é uma importante ferramenta para criar soluções inovadoras para problemas socioambientais. O fundador e presidente do Instituto Legado, James Marins, acredita que as startups de impacto social precisam ter consciência das novas ferramentas, técnicas e metodologias inovadoras disponíveis e que estão cada vez mais palpáveis. O Legado Semente surge para unir os dois: técnica e impacto. “É uma oportunidade de construir empresas que visam o impacto socioambiental positivo em um mesmo ecossistema inovador e tecnológico”, comenta.